My Items

I'm a title. ​Click here to edit me.

Introdução e renda fixa

Introdução e renda fixa

Olá! Aqui é o João, tudo bom? Eu espero que sim 😊 E aí, preparado para entrar nesse mundo fantástico que é o dos investimentos? Então vem comigo! E já te alerto, depois desse relatório existem grandes riscos de você se apaixonar pelo hábito de investir - e isso vai gerar muitas mudanças em sua vida 😉 Vamos lá? Pegue um cafézinho (sem açúcar hein 🙄) e vamos começar: Então, do começo... Investir nada mais é que abrir mão do dinheiro agora, em troca de recuperá-lo no futuro, e quem diz isso não sou eu, mas o gênio dos investimentos, Warren Buffet - já ouviu falar esse nome? Se você não o conhece, ele é o CEO da Berkshire Hathaway, e possui um patrimônio na casa das dezenas de bilhões de dólares. Além disso ele tem uma característica apresentada em quase todos os investidores bilionários - sabe qual é? Inteligência? Bom, ele certamente não é um caso comum, mas surpreenda-se que o QI elevado não é necessário para se dar bem com os investimentos! A característica que estou me referindo são os cabelos brancos. Investir não é legal, não tem emoção - pelo menos não deveria ter - além de sermos ensinados a não gostar de gastar dinheiro ou tempo com quase nada que não seja lazer - fala a verdade, quantos livros e cursos você já comprou na vida? Agora quantos filmes e séries você já viu? Investir requer uma mudança de mentalidade, que as pessoas normalmente não aceitam. Você tem que ter disciplina e focar no que realmente faz diferença em um investimento - boa gestão e tempo. A chave está em deixar os juros agirem, sempre procurando oportunidades de pagar barato em bons negócios e dando tempo suficiente para que esses investimentos maturem. Beleza, agora que já foi a parte chata - mas que tem que ser dita 😐 - vamos falar das maneiras que você pode colocar seu dinheiro para trabalhar por você. Basicamente, se você quer investir seu dinheiro, você tem 2 opções: fazer algo por si mesmo - empreender - ou "pagar a alguém" para empreender por você - comprar ações. Há também empréstimos de dinheiro que você pode fazer, não é bem um investimento, mas tem bancos por ai que podem pagar boas taxas por ano para usar o seu dinheiro - não, não é na poupança. Então, partindo da ideia de que você já possui um trabalho, ou algo que ocupe a maior parte do seu tempo, a saída que te resta é comprar ações ou emprestar seu dinheiro. Caso opte por emprestar você pode escolher entre emprestar para o seu país - comprando o tesouro direto - ou para algum banco - através de um CBD. O tesouro direto é visto como o investimento mais seguro, por que a única maneira de você perder dinheiro, seria se o seu país quebrasse. CDBs também são bem seguros, por que as chances de um banco quebrar são baixas - principalmente se for um grande banco. Além disso, como o nome já diz, eles te pagam uma renda fixa. Portanto, embora ele te tranquilize pelos riscos, esse tipo de investimento também nunca vai te surpreender positivamente. A taxa do tesouro direto, como também de outros investimentos de renda fixa como CDI, CDB, LCI, LCA é regulada de acordo com a Selic. - Eu sei, um monte de letrinha, então vou explicar só o que você precisa saber, ok? Ao comparar investimentos, a "base" - a taxa mínima esperada - deve ser sempre o CDI. Qualquer investimento que te retorne menos que essa taxa, você está perdendo dinheiro. Ah, mas e a poupança? Sai fora, a poupança para algo entorno de 90% do CDI! Se você colocar esse dinheiro na Nubank - isso não é um patrocínio, mas poderia ser 🤔 - ele rende mais que isso. Enfim, todas essas maneiras de empréstimo de dinheiro, seja para um banco ou para a União, são chamadas de renda fixa - isso porque pagam uma taxa fixa mensal como juros dos empréstimos. E dá pra investir na renda fixa? Então, a renda fixa é uma ótima reserva de capital, por te pagarem essas taxinhas sem riscos e terem boa liquidez. Se você está guardando o dinheiro da viagem que vai fazer no meio do ano, por exemplo, esta é a melhor aplicação. Porém você não vai nunca ficar rico com ela, muito menos conseguirá viver de seus rendimentos - a não ser que você já tenha algumas dezenas de milhões na conta. E qual a saída para realmente ficar rico? Empreender ou ser sócio de alguém. E quando digo ser sócio não é simplesmente criar uma empresa, mas realmente comprar grandes empresas! Você pode ser sócio da Ambev, do Itaú, da Magalu, do Google, do Facebook, da Amazon... Ou ainda ser sócio de shoppings, de prédios comerciais, de aeroportos! Todas essas sociedades são negociadas diariamente. "Ahh, mas eu não tenho dinheiro para ser um sócio importante em nenhuma dessas empresas, então não vou ganhar nada com isso 😕" Pelo contrário! Inclusive, você irá ter mais liquidez por ter poucas ações, conseguindo vendê-las, se precisar, em um instante! De qualquer maneira, a ideia principal de investimento em ações - e quando digo ações estou falando de todo um Universo de mercados - é adquirir ótimas empresas a bons preços - e nunca vendê-las. Mas nunca se esqueça que demora um tempo pra seus rendimentos te retornarem. A vontade de se arriscar mais e ser ganancioso ou o medo de perder dinheiro podem te atrapalhar e te levar a tomar péssimas decisões, mas com disciplina e alguma ajuda - tô aqui pra isso 😉 - a gente consegue! Um abraço, Até amanhã!

Tabela Dinâmica #1

Tabela Dinâmica #1

Olá! Aqui é o João, tudo bom? Eu espero que sim 😊 Deixa eu te perguntar uma coisa... Você já conhece o Excel? Sabe usar todas as suas funções? Sabia que existe todo um mundo novo de macros, vba e userforms que quase ninguém conhece? Olha, te garanto que depois que aprender a usá-lo, suas análises nunca mais serão as mesmas! Então vem comigo! Nesta aula vou falar um pouco sobre este software fantástico e te mostrar o que é uma tabela dinâmica. Vamos lá? Pegue um cafézinho (sem açúcar hein 🙄) e vamos aprender: Tabela dinâmica, pra quem nunca ouviu falar, é uma função do Excel de análise de dados. Vou te explicar como ela funciona através de um caso prático. Veja a tabela abaixo - vamos chamá-la de tabela A: Aqui temos uma situação hipotética de uma loja que vendeu 3 itens: A, B e C em diferentes datas para diferentes compradores, em que cada um possuí um código. Caso você queira fazer algumas análises rápidas, como saber quantas itens A foram vendidos nos primeiros 5 dias, ou quantos itens o comprador de código 5 comprou este mês, uma possibilidade é contar tudo à mão - que eu não recomendo 🙄-, porém, você pode analisar estes dados através de uma tabela dinâmica! Para responder a primeira pergunta, por exemplo, você pode montar uma tabela assim: Ao filtrá-la pelo item A, podemos ver que no dia 1 foi vendido apenas 1 item, no dia 4 foram vendidos 2, e assim por diante... Porém, esta tabela que acabei de montar pode ser alterada para te mostrar os dados da maneira que quiser! Para responder a segunda pergunta, por exemplo, pode transformar essa tabela da seguinte maneira: Agora vemos que o filtro é o comprador de código 5. No dia 01/02 ele comprou 1 item B e no dia 09/02 ele comprou 1 item A. E como que eu faço pra criar isso? Acredite em mim, é mais simples do que parece! Lembra da tabela que eu te mostrei antes, a tabela A? - Agora entendeu por que dei um nome pra ela, né? Então, você primeiramente tem que digitá-la no Excel. Depois da tabela pronta você seleciona ela inteira e em seguida clique nestes dois botões: Lembre-se de clicar no Inserir (número 1) primeiro, se não provavelmente sua guia vai estar na aba "Página Inicial". Depois Clica no botão Tabela Dinâmica (número 2). Eu sei, abriu uma caixinha de opção, né? Calma, vou te ajudar a preenchê-la. Basicamente as duas primeiras "bolinhas" servem para alterar a fonte de dados da tabela - se ela vai vir do seu arquivo atual ou de outro arquivo -, e também qual o intervalo da sua tabela - se você selecionou ela certinho como eu mostrei na tela anterior, deve funcionar certinho 😉 Agora atenção! Caso depois você escreva mais linhas na tabela original, a tabela dinâmica não vai entender, e vai continuar trazendo dados apenas a região que você selecionou para criá-la. Mas relaxa, depois te ensino como mudar isso 😄 As duas outras "bolinhas" se referem a onde a tabela dinâmica vai ser criada. Se ela vai criar uma página em branco pra colocá-la ou você tem um lugar de preferência. Depois que decidiu essas coisas é só clicar no OK e pronto! A ferramenta que você irá utilizar para montar - e alterar - sua tabela, basicamente, é essa faixa que tem na direita da sua tela: As colunas da tabela A (Data, Item e Código Comprador) aparecem logo acima - chamamos elas de "campos". Logo abaixo temos as áreas de filtro, linhas, colunas e valores - eles te ajudam para que você monte a tabela do jeito que quiser! Por exemplo, para responder aquela primeira pergunta, lembra da tabela que criei? Para criar aquela tabela, eu monto a disposição dos campos dela da seguinte maneira: Não entendeu? Relaxa, vou te explicar... A primeira área da imagem acima se refere ao filtro. Para definir quais os seus filtros, basta arrastar os campos que você deseja para dentro da área dos filtros. Abaixo dos filtros temos as linhas - onde está a Data. A área das linhas serve para adicionar os campos que irão distribuir os valores. No caso eu escolhi colocar o campo de datas nessa área, então a tabela trará um linha para cada data que tiver um valor associado. Mas que valor? Os valores, no nosso caso, são contagem de itens. Esse é o mais chatinho de entender, mas não é difícil, presta atenção: Quando eu coloco um campo no espaço de valores, o Excel analisa os dados desse campo como se fossem números - sei que pode parecer confuso, mas é bem intuitivo. No nosso exemplo, ao adicionar o campo itens na área de valores, ele o alterou para "contagem de item". Ou seja, ele literalmente tá me dizendo quantos itens há em cada uma dessas datas. Simples, não é? Tá, ficou faltando a área das colunas, não é? Nem esquenta com essa, ela funciona exatamente como a área das linhas - só que os dados são exibidos na horizontal No próximo relatório te explico melhor a diferença que temos entre as linhas e colunas 😉 Com isso, a tabela que montamos fica desta maneira: Percebeu que eu selecionei o item "A"? Eu só consegui selecionar esse item porque ele está no campo filtros - ou seja, estou filtrando a tabela pelo item A. Isso quer dizer que todos os dados agora se referem apenas ao item "A"! - Cuidado pra não errar sua análise por acabar filtrando algum campo sem querer 😉 Bom, acho que pra uma introdução já está bom, mas você não precisa parar por aqui! Crie algumas tabelas por conta própria e tente analisá-las! Você nunca vai aprender se não praticar, lembre-se disso. No próximo relatório vou explicar melhor sobre esses campos para que não reste mais dúvidas sobre montagens de tabelas! Um abraço! Até amanhã!

Tô gastando muito?

Tô gastando muito?

Olá! Aqui é o João, tudo bom? Eu espero que sim 😊 Pronto para aprender um pouco de finanças? Hoje quero introduzi-lo a este tema tão odiado e ignorado por muitos, mas que quando levado a sério consegue te gerar muita estabilidade e tranquilidade - os gastos 😲 Vamos lá? Pegue um cafézinho (sem açúcar hein 🙄) e vamos começar: Primeiro de tudo, quero que saiba que aqui irei te trazer relatórios com conceitos financeiros que são muito úteis para se aplicar tanto a negócios como em sua própria vida! Mas calma, não vou deixar essa série entediante! Óbvio você também não irá virar nenhum analista com esses conhecimentos - mas sempre podemos agregar um pouquinho, não é mesmo? 😊 O que quero de verdade é que por meio destes relatórios você possa entender melhor sobre como uma empresa realmente funciona, entender melhor suas métricas, saber analisar seus múltiplos e kpi's - e quem sabe não acabar incorporando esse controle para sua própria vida? Você sabe me dizer qual é o seu gasto anual com P&D? Quais seus gastos fixos e variáveis? Qual seu fluxo de caixa livre? Você investiria em você mesmo? Algum desses termos te assustou, ou gerou alguma "duvidazinha"? Ou tem interesse em entender melhor a empresa que trabalha? Ou até mesmo quer melhorar a sua estabilidade financeira, ou da sua empresa. É exatamente com você que quero conversar! Vai me dar essa chance? Nesse primeiro papo quero conversar com você um pouco sobre planejamento de gastos - também conhecido como "budget". Você sabe como ele é calculado? E você o aplica em sua vida pessoal? Para quem está perdido, vamos começar nos situando. Budget é um instrumento importantíssimo em uma empresa. Como já disse antes, ele se refere ao planejamento de gastos - ou seja, o quanto você pode gastar com cada coisa. E como criamos o planejamento, ou melhor, como que sabemos quanto podemos gastar com cada coisa? Bom, primeiro você tem que saber o quanto você gasta atualmente com cada coisa. Imagina que você pega uma planilha e anota ao final de todo dia quais foram seus gastos. Depois de alguns meses, você começa a perceber que alguns desses gastos são fixos, nunca variam - conta de energia, luz e internet, por exemplo. Então, como você é uma pessoa muito criativa, decide dar uma categoria a esses gastos: gastos fixos Como eles estão sempre se repetindo, eles são muito previsíveis e normalmente indispensáveis - por mais que às vezes você tenha vontade de sair da internet 😂 Você também percebe alguns gastos que variam quase todo mês, mas estão sempre presentes lá - como o tanto que se gasta em mercados, lojas, livrarias... Esses gastos se referem ao seu padrão de vida, e embora pareçam possíveis de serem cortados, iriam te prejudicar muito - é extremamente difícil reduzir o padrão de vida, principalmente sem uma forte motivação para isso. É bom que dentro do seu padrão de vida ainda haja uma certa ramificação, afinal você não deve simplesmente cortar o dinheiro da sua alimentação para comprar roupas. Ao lado desses gastos temos alguns outros que variam pontualmente. Por exemplo, em alguns meses - como dezembro com as festas -, seus gastos com presentes e eventos aumentam, porém você sabe que nos outros meses esses gastos voltarão ao normal - pelo menos deveriam 😂 E por fim, os que todos adoram, os luxos. Esses são aqueles gastos que não tem sentido nenhum, a não ser para satisfazer o próprio ego. Entre alguns exemplos temos compras de relógios de marca, bolsas e sapatos caríssimos, viagens internacionais de primeira classe, carros e casas extremamente luxosos - quem não ficou impressionado com aquela casa do Guttavo Lima, fala a verdade, alguém realmente precisa daquilo?? 🤔 Enfim, assim como nós temos todos esses tipos de gastos, as empresas também! Mas, diferente da vida da maioria das pessoas, as empresas sérias buscam sempre o controle deles. Todo mundo gosta de gastar, o problema é fazer isso sem controle algum. Para isso que temos o "budget" - um limite do quanto eu posso gastar com cada categoria. Ao tomar esse controle, não só a empresa consegue alocar melhor seus recursos, como também analisar sua própria saúde financeira! - Do que adianta ganhar 50 mil por mês se só no seus gastos fixos você excedem esse valor? Tanto para as empresas como para as pessoas, os gastos devem estar sempre abaixo das receitas, para que o seu patrimônio possa sempre crescer sustentavelmente - faz sentido, não faz? Antes de focar em receita e renda, é muito importante saber como esses recursos estão sendo alocados. Te garanto que uma empresa - ou uma pessoa - que retorna para si mesma pelo menos 10% de sua renda, irá crescer de maneira muito mais sustentável que outra que consome tudo o que recebe. E como são construídos os budgets? Não há uma regra única, mas normalmente é feito baseado em históricos + projeções. Empresas bem gerenciadas realizam uma análise séria sobre seus gastos, conseguindo isolar situações pontuais que não irão se repetir, programar gastos recorrentes e incluir devidamente seus projetos futuros. É claro que budget são uma projeção, então diferenças devem ocorrer, mas uma empresa séria com o seu controle de gastos, normalmente gera bons resultados. Se eu puder dar um conselho, é para que você também anote sempre que possível seus gastos. Talvez não seja necessário criar um budget próprio, porém é sempre bom ter ciência das suas próprias despesas, além de facilitar um controle, se preciso 😉 - Aplicando esse conceito aos investimentos: Ao analisar uma empresa, sempre se atente, além dos lucros gerados, a "saúde" desses lucros. Os lucros de hoje se bem aplicados gerarão mais lucros no futuro. Busque empresas que buscam sempre reduzir seus gastos sem abrir mão de se renovarem, que invistam um valor considerável em pesquisa e desenvolvimento (P&D) - mesmo porque um crescimento sustentável vale muito mais que um retorno imediato. Por fim, lembre-se que os gastos dizem muito sobre os hábitos, e nas palavras de Frederick Matthias Alexander: “As pessoas não decidem seu futuro, elas decidem seus hábitos, e seus hábitos decidem seu futuro” Um abraço, Até amanhã!

Pra que serve o Power Bi?

Pra que serve o Power Bi?

Olá! Aqui é o João, tudo bem? Espero que sim 😊 Deixe eu te fazer algumas perguntas... Você já conhece o Power Bi? Sabe qual sua finalidade e quais as principais diferenças entre ele e o famoso Excel? Olha, te garanto que depois que aprender a usá-lo, suas análises nunca mais serão as mesmas! Se interessou? Então vamos lá! Hoje vou falar sobre este fantástico software, além de exemplificar algumas situações em que ele pode ser aplicado. Vamos lá? Pegue um cafézinho (sem açúcar hein 🙄) e vamos aprender! Antes de darmos início, é preciso deixar algo claro: o Power Bi é uma ferramenta de análise. Evite compará-lo com o Excel ou qualquer outro software semelhante, ou melhor, se quiser compará-lo, compare-o com uma "tabela dinâmica". Sim, ele se assemelha muito a uma tabela dinâmica como as que vemos no Excel. Você deve estar se questionando ''por que vou aprender a utilizar esse software se posso fazer exatamente os mesmos comandos no próprio Excel?''. Calma... Não é bem assim! Embora ele se pareça com uma tabela dinâmica, possui suas propriedades únicas, inclusive citarei algumas delas abaixo para que você compreenda melhor: - A primeira característica é que o Power Bi funciona muito bem com relações entre tabelas de dados, ou seja, você não precisa concentrar todos os dados que quer analisar em uma só tabela - diferente de uma tabela dinâmica no Excel. - Diferentemente do Excel, que possui um limite, o Power Bi tem incorporado consigo um sistema bem mais "parrudo", o que permite a melhor análise de dados de tabelas gigantescas sem que o tempo de resposta seja reduzido. - Além disso, os relatórios, uma vez criados, são publicados de forma online, sendo necessário apenas o compartilhamento via e-mail para que os usuários tenham acesso a seu relatório - não é mais necessário o compartilhamento de arquivos ''pesados'' que se quer conseguimos enviar pelo e-mail. - Por fim, e, para mim, a melhor funcionalidade desta ferramenta: possibilidade de análise de seus dados pelo Excel! - Além de conseguir estruturar várias tabelas em uma só e publicar um relatório online, os usuários ainda podem transformar o relatório em um arquivo de Excel para realizar suas análises! Não entendeu? Calma, vou te explicar cada um destes pontos melhor. Primeiramente, se não recorda-se das tabelas dinâmicas, na nossa sessão de Excel, você encontrará vários relatórios sobre elas. Caso já tenha trabalhado com elas, você deve ter percebido que não há uma maneira rápida de incorporar dados de outra tabela em uma análise, correto? Mas isso não é um problema para o Power Bi! Ele facilmente estrutura as relações entre as tabelas, e te oferece amplas maneiras de visualização de dados. Sério, tem muitas maneiras, olhe essa imagem: Cada ícone é uma forma de visualizar seus dados - e ainda há a opção de baixar ou comprar outras visualizações criadas pela comunidade! Ele também é um software otimizado para grandes volumes de dados, realizando análises rápidas de uma quantidade assombrosa de dados - enquanto o Excel se limita a 1 milhão e 48 mil linhas, o Power Bi consegue lidar fácil com valores muito maiores a esse! Isso se deve a forma com que os dados são manejados - No Power Bi os dados são inalteráveis, então fazer aquelas "adaptações" de forma direta na base de dados para retirar o erro do relatório não rola aqui... Ademais o arquivo que cria o relatório não precisa ser compartilhado, a Microsoft já realiza isso para você! (Embora cobre uma assinatura para isso...) Os relatórios são postados online, e, caso queira, todos da sua organização podem acessá-los! Isso facilita muito na atualização, pois você só precisa clicar em um botão e todos acessarão apenas o relatório atualizado. Por fim, para encerrarmos com a melhor propriedade: todo relatório uma vez publicado pode servir como fonte de dados para alimentar um arquivo de Excel. Assim você tem acesso à todas as informações do relatório criado e postado, podendo analisá-lo da maneira que achar melhor - E quando o relatório online for atualizado, seu arquivo criado de análise no Excel também será! Fala a verdade, isso é genial! Bom, se você tem interesse por análise e trabalha com Excel, tenho certeza que já está ansioso para aprender, né? Então não perca mais tempo, acompanhe os nossos relatórios dessa ferramenta de análise maravilhosa e comece agora mesmo suas análises! Um abraço, E nos vemos na primeira aula!